Google+ Followers

domingo, 20 de julho de 2014

PRIMEIROS RESULTADOS DA PESQUISA DAS MEIAS MARATONAS 2014



No primeiro semestre participei de uma pesquisa entre os corredores realizada por estudantes  de medicina e de outras carreiras com alunos da Usp e da Unicsul. O objetivo da pesquisa era estudar o perfil imunológico dos atletas nas meias maratonas utilizando suplementação a base de ômega 3 e tendo como provas a Meia Maratona de São Paulo, em fevereiro e a Meia Maratona Corpore, em abril.


Cinquenta corredores participaram da pesquisa e cerca de quarenta e cinco (90%) completaram a todas as fases da pesquisa. Cada prova tinha uma avaliação física, testes cardiopulmonar, uma coleta de sangue antes de cada prova e três coletas após as provas e a ingestão do suplemento depois da primeira prova até o dia da segunda prova.



Os corredores foram divididos em três grupos: A, B e C. Num dos grupos os corredores recebiam a suplementação completa, em outro, a suplementação numa dose menor e no outro grupo os corredores recebiam cápsulas de placebo (substância sem propriedade farmacológica). Os corredores não sabiam em qual grupo estava participando.



Segundo o Professor Marino Benetti, que coordena a pesquisa, os resultados levarão algum tempo ainda para serem divulgados porque serão analisados por várias áreas. Porém foram divulgados as análises dos corredores e a partir daí já se pode fazer uma analise de cada corredor, levando-se em conta que são duas provas distintas com diferenças no números de participantes, na altimetria e nas condições climáticas.



Eu estava em um dos grupos que recebeu a dose completa de suplementação e o que pude notar foi o aumento de peso (exatos 2 quilos) entre uma prova e outra. E nessa toada aumentaram, também, a glicemia, o colesterol e o triglicérides. O que nos leva a concluir que o ômega 3 tem um alto grau calórico e deve-se tomar cuidado na sua ingestão sendo recomendado a consulta de um nutricionista. Nos demais índices não houve alteração significativa.



Após analises de dados dos testes cardiopulmonares como a resposta metabólica, resposta ventilatórias, resposta cardiovascular e gas Exchange ficou comprovado que a minha máquina encontra-se em perfeito estado de funcionamento para o ano de fabricação.  Sendo assim, continuarei correndo e ano que vem pretendo participar da pesquisa que serve de estudo para o esporte e a saúde para os corredores, um verdadeiro raio-x do seu corpo.


 


 



 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário